Home » Artigo não-científico » Fatores de risco que não devem ser ignorados na prevenção ao câncer de pulmão

Fatores de risco que não devem ser ignorados na prevenção ao câncer de pulmão

Muito se sabe a respeito do cigarro como o maior agente causador do câncer de pulmão, além de outros fatores de risco, como genética, obesidade, álcool em excesso e tabagismo passivo. Todavia, existem outros elementos que desempenham seu papel no desenvolvimento de um tumor. Nossa função é esclarecer da melhor maneira possível algumas das causas para a progressão do câncer de pulmão.

Do mesmo modo, é importante elucidar que enquanto os fatores de risco citados acima são factuais, os três que apresentaremos a seguir são considerados cenários que, quando isolados (sem vínculo com o tabaco), precisarão ainda de muitas pesquisas para confirmar se são causadores do câncer de pulmão. Entretanto, em circunstâncias de estudos realizados em fumantes, os resultados são claros.

O papel deste artigo é buscar a conscientização e prevenção, não apenas ao câncer de pulmão, mas a qualquer forma de acometimento dessa patologia.

1. Exposição a produtos Químicos

 

A exposição a produtos químicos e substâncias em locais de trabalho é um importante fator de risco para o câncer de pulmão, especialmente quando combinado com o tabagismo. Alguns desses elementos são: Formaldeído e Asbesto, Sílica e Cromo.

– Sílica Cristalina

É uma substância natural abundante, encontrada em pedras, solo e areia. Também está presente no concreto, tijolo, argamassa e outros materiais de construção. A Sílica Cristalina pode ser vista em várias formas, sendo o Quartzo o mais comum. Sua poeira pode ser absorvida durante a respiração.

A exposição de trabalhadores à Sílica Cristalina está associada a taxas elevadas de câncer de pulmão. O elo mais forte entre tumores malignos e humanos tem sido visto em estudos de pedreiras e locais de trabalho com granito, cerâmica, tijolos refratários, etc.

– Radiação

É um fator de risco para o desenvolvimento câncer de pulmão. Pessoas que fazem radioterapia no tórax, para enfermidades como a doença de Hodgkin (um tipo de linfoma), ou após uma Mastectomia para câncer de mama, têm risco aumentado de desenvolver um tumor no pulmão. O perigo é grande quando a radiação é recebida em idade jovem, podendo variar de acordo com a dose em questão.

A radiação é uma maneira pela qual a energia ou o calor se movimentam. Diferentes níveis de emissão de energia estão em toda parte. O sol, o solo, as rochas e até os animais podem emanar. Uma usina nuclear produz muita radiação – mas ela comumente é contida com segurança dentro do reator que, se estiver muito danificado, pode permitir o escapamento, tornando o local perigoso para o meio ambiente.

– Radiação danifica as células que compõem o corpo humano;
– Níveis baixos de exposição não chegam a ser perigosos, mas níveis médios podem causar doenças, dores de cabeça, vômitos e febre;
– Níveis elevados podem matar, causar danos aos órgãos internos;
– A exposição à radiação por um longo período pode causar câncer.

02. Excesso de Betacaroteno

A Provitamina é um pigmento vegetal que se converte intracelularmente nas formas ativas de vitamina A, que, por sua vez, é essencial para a função imunológica, sinalização celular, reprodução, visão e manutenção de muitos órgãos. Também está presente em suplementos alimentares.

Em geral, manter quantidades equilibradas de vitaminas em sua dieta pode reduzir o risco de câncer, enquanto a ingestão baixa demais ou em excesso pode aumentar as possibilidades de desenvolvimento dos tumores. Como cada corpo funciona de forma diferente do outro, o ideal para alcançar esse equilíbrio é consultar um nutricionista.
A suplementação que contém Betacaroteno pode aumentar o risco de câncer de pulmão em fumantes e pessoas expostas ao Amianto.

No estudo Alfa Tocoferol Betacaroteno corte Câncer (ATBC), realizado entre 1985 e 1988, foram atribuídos aleatoriamente a 29.133 fumantes do gênero masculino, com idades entre 50 e os 69 anos, receber betacaroteno (20 mg por dia), alfa-tocoferol (50 mg diariamente), ou placebo, em um acompanhamento médio de 6 anos.

Houve uma incidência significativamente maior de câncer de pulmão entre homens que receberam suplementação de Betacaroteno em comparação com placebo após 18 meses de intervenção. Essa associação tendia a ser mais forte entre homens que fumavam 20 ou mais cigarros por dia.

A Organização Cancer Council recomenda que as pessoas evitem tomar altas doses (> 18 mg) de suplementos de Betacaroteno, especialmente se forem fumantes.

03. Pneumonia

Episódios repetidos de pneumonia podem causar inflamações nos pulmões, fazendo com que as células cresçam de forma anormal. É preciso estar em dia com os exames preventivos, a fim de verificar a potencialidade do desenvolvimento de um tumor.

Os riscos de pneumonia recorrente são aumentados pelo histórico de asma, tabagismo, inspiração diária de substâncias tóxicas e outras doenças pulmonares. A falta de tratamento pode levar à inflamação e danos permanentes no órgão.

Prevenção

Se você tiver infecções no sistema respiratório, vá ao médico imediatamente e siga à risca o tratamento estabelecido. Além disso, é possível que esteroides sejam recomendados, com o objetivo de reduzir a inflamação nos pulmões: isso diminui o risco de desenvolvimento de tecido cicatricial.

Processo inverso

Se você tem câncer de pulmão, corre um risco maior de desenvolver pneumonia, patologia que normalmente é causada por infecções bacterianas e virais. Entretanto, se você tiver câncer, a pneumonia também pode ser causada por obstrução no pulmão devido ao tumor. Essa última afecção costuma ser muito grave e precisa ser tratada imediatamente.

Embora muitos estudos ainda precisem ser feitos a respeito dos fatores de risco que podem levar ao aparecimento de tumores, é fácil perceber algo em comum entre todos os tópicos: os agentes causadores estão sempre associados ao tabagismo, e este é o ponto mais importante a ser levado em consideração quando pensamos em prevenção.
Parar de fumar é a maneira mais eficaz de lutar contra o câncer de pulmão.