Home » Artigo não-científico » 4 crenças irreais e recorrentes sobre largar o tabagismo

4 crenças irreais e recorrentes sobre largar o tabagismo

Estamos em novembro, chegando perto da virada do ano, e as famosas resoluções começam a tomar forma em nossos planos. Entre adotar uma alimentação mais saudável e economizar, existe a promessa de parar de fumar, decisão que enche o tabagista de dúvidas.

Inicialmente, podemos dizer que cada corpo possui um organismo diferente, portanto, um não irá reagir como o outro. Existem, porém, experiências em comum entre muitas pessoas que pararam de fumar. Esses relatos podem ser perigosos, pois resultam em indivíduos que querem largar o tabagismo, mas ficam com medo de como será o período de abstinência, e o depois também. E então vão adiando, inicialmente algumas semanas, que se tornam meses e a culpa gera uma ligação ainda maior com o vício: a autossabotagem.

Vamos aos exemplos que ilustram esse quadro:

1. Todo mundo que para de fumar engorda

Nem todo mundo.

O vício em cigarros não está mantendo você magro; na verdade, um estudo feito pela revista Obesity descobriu que fumar pode fazer você ganhar peso.

Os pesquisadores serviram a 47 mulheres quatro xícaras de pudim de baunilha, cada um com uma diferente quantidade de gordura, e pediram que elas classificassem a cremosidade, a doçura e o prazer que sentiam ao comer. O que descobriram: mulheres obesas que fumavam achavam que todos os pudins eram menos doces e cremosos e gostavam menos das guloseimas do que dos não-fumantes.

Tabagistas têm sentidos básicos, como olfato e paladar, comprometidos, e precisam de mais açúcar e sal para sentirem o gosto da comida como sentiam antes de começar a fumar.

Essa é apenas mais uma razão para largar o hábito de vez. Então, por que esse mito continua persistindo? Bem, é verdade que, se você parar de fumar e compensar com alimentos não saudáveis, suas calças podem ser ajustadas um pouco mais apertadas, mas isso não tem, necessariamente, que ser o caso.

2. Fumar cigarros eletrônicos é uma alternativa segura

O fato de possuir menos substâncias nocivas e não haver monóxido de carbono, ainda assim, não são saudáveis.

“É preciso separar os cigarros eletrônicos (vaporizadores) dos produtos de tabaco aquecido. Sobre os vaporizadores, existem muitos estudos independentes. O que se sabe é que eles não são inócuos, possuem substâncias tóxicas. Quando comparados ao convencional, realmente possuem menos substâncias tóxicas. Por não gerar a queima, não apresentam monóxido de carbono, substância altamente cancerígena. Mas isso não quer dizer que sejam benéficos à saúde. Nenhum dispositivo substitui parar de fumar.” (Tânia Cavalcante, médica do Inca)

Os principais consumidores dos cigarros eletrônicos são os jovens fumantes e os tabagistas mais velhos que desejam inalar menos substâncias nocivas ao organismo. Além deles, com uma incidência um pouco menor, mulheres grávidas.

A comercialização de cigarros eletrônicos no Brasil está proibida, por meio da Resolução de Diretoria Colegiada da Anvisa, RDC 46, de 28 de agosto de 2009.

3. Se você fuma há mais de dez anos, o organismo não se recuperará mesmo que pare agora

Não procede. Para os fumantes de longa data, muitas vezes há a percepção de que o dano já foi feito e, portanto, não há benefício real em desistir. Isso é algo que os médicos estão dispostos a desmascarar.

“Quanto mais cedo você parar, melhor, mas não importa quanto tempo você fumou, parar vai dar ao seu coração e pulmões a chance de melhorar”, enfatiza o Dr. Foster.

“Se você fuma há cerca de cinco anos, a interrupção reduzirá significativamente suas chances de ter um ataque cardíaco. Em muitos casos, depois de 15 anos sem fumar, o risco de ataque cardíaco é quase o mesmo de alguém que nunca fumou todos.”

4. Pessoas com transtornos mentais nunca conseguirão parar de fumar

Pessoas com problemas de saúde mental que são usuárias da substância têm sido exploradas pela indústria do tabaco e fumam a taxas muito mais altas do que a população em geral. Quando se trata de parar de fumar, alguns mitos comuns sobre saúde mental e parar de fumar podem estar no caminho.

Muitas pessoas com problemas de saúde mental têm outros desafios de vida que podem tornar ainda mais difícil parar de fumar do que para os indivíduos mentalmente estáveis. Entre estes motivos, podemos incluir: mais amigos que fumam, menos recursos disponíveis e maior dependência dos cigarros.

Embora possam existir desafios adicionais para pessoas com problemas de saúde mental, eles podem largar o tabagismo com o apoio e o tratamento corretos.

Se você está planejando parar de fumar, é sempre uma boa ideia falar com um profissional de saúde, especialmente se você tem um problema de saúde mental grave ou está considerando medicação para ajudá-lo a parar de fumar.