Home » Artigo não-científico » Mitos sobre a alimentação durante o tratamento contra o câncer

Mitos sobre a alimentação durante o tratamento contra o câncer

Quando se trata de saúde, muitas informações podem confundir aqueles que utilizam a internet para tirar dúvidas, especialmente em casos de pacientes oncológicos, que estão entre os mais atingidos pelas invenções publicadas

Para enfrentar um câncer, é essencial ingerir alimentos nutritivos e manter o peso corporal saudável.

Muitas vezes, os efeitos colaterais da cirurgia, quimioterapia, radioterapia e imunoterapia levam o paciente a comer de maneira inadequada, fazendo com que perca importantes nutrientes. Por essas razões, é essencial usar o bom senso ao pesquisar ou pedir conselhos sobre alimentação anticâncer – ou qualquer outro assunto.

Lembre-se: a única maneira segura de proceder é procurar o seu médico ou um nutricionista indicado por ele, e tirar as suas dúvidas.

Leia abaixo alguns mitos bem comuns sobre a alimentação de pacientes em tratamento:

1. Existem alimentos que podem curar o câncer

– Mito. O que não faltam por aí são recomendações sobre como determinados alimentos constituem uma “fórmula mágica” contra o câncer. Essa receita não existe.

Vale saber que, por mais que esses conselhos sejam dados com boas intenções, podem prejudicar física e emocionalmente aqueles que estão vulneráveis na luta pela cura.

É fato que uma alimentação equilibrada com ajudará a trazer bons resultados para a saúde, deixando seu corpo mais forte e resistente. Procure fazer boas refeições, obtendo os nutrientes essenciais, que incluem proteínas, carboidratos e gorduras.

2. A beterraba pode substituir a carne vermelha durante o tratamento

– Mito. Embora possua uma alta concentração de ferro, ela não é o suficiente para suprir as necessidades nutricionais do paciente, por não dispor da mesma fonte (animais) que a carne vermelha.

O ideal, nestes casos, é combinar as duas fontes de ferro. A quantidade segura para consumo de carne vermelha é de até 300g semanais, portanto, as demais carências nutricionais devem ser substituídas por outros alimentos e/ou suplementos.

O melhor a se fazer, nesta situação, é consultar o seu médico.

3. A alimentação deve ser a mesma em caso de Quimioterapia e Radioterapia

– Mito. É aconselhado manter ao menos o básico da alimentação do paciente durante a Quimioterapia, desde que sejam evitadas as proteínas animais, como carnes vermelhas e embutidos, carboidratos refinados e bebidas alcoólicas.

Na Radioterapia, a orientação é relativa à região afetada. Por exemplo, se área irradiada for abdominal, poderá haver alterações intestinais, e, com isso, a necessidade de um acompanhamento mais específico. Entretanto, existem pacientes que passam pela radioterapia e não apresentam qualquer mudança de peso ou necessidades de suplementos alimentares.

Nos tempos de hoje, com tantas informações, conteúdos atrativos e cada vez mais tempo gasto na WEB, é essencial saber filtrar o que se lê.

Certifique-se de conferir estudos e dados contidos nas matérias, bem como averiguar opiniões de terceiros sobre as orientações, bem como a reputação profissional das pessoas que as escrevem.
Bom senso é fundamental.