Home » Artigos Científicos » Avaliação molecular do Câncer de Pulmão Não Pequenas Células (CPNPC) em uma coorte de pacientes brasileiros

Avaliação molecular do Câncer de Pulmão Não Pequenas Células (CPNPC) em uma coorte de pacientes brasileiros

Autores: Andréia C. de Melo, Haynna Inada, Milton Barros, Simone Terra, Isabele Small, Fernando Soares, Federico Cappuzzo, Kengo Takeuchi, Cinthya Sternberg, Carlos Gil Ferreira.

Introdução: O CPNPC representa 85% dos tumores de pulmão. As principais alterações moleculares no CPNPC são amplificação, inversão/fusão e mutações em EGFR, KRAS, BRAF, TP53, MET e ALK. A sinalização induzida por essas vias interfere com a função normal das células e tem papel na carcinogênese e progressão do CPNPC. Diferenças na frequência dessas alterações têm sido observadas em diferentes populações.

Materiais e Métodos: 157 casos de pacientes com CPNPC operados de 2003 a 2007 foram retrospectivamente coletados em dois diferentes centros de tratamento de câncer no Brasil e testados para amplificação de EGFR, HER2, MET; fusão EML4-ALK; mutação para EGFR (éxons 18-21), KRAS (éxon 2), BRAF (éxons 11 e 15) e TP53 (éxons 5-9).

Resultados: A idade mediana foi 62,6 anos; 52,9% homens. Ao diagnóstico 14,6% eram não fumantes; 45,2% fumantes e 35,7% ex-fumantes. Quanto à histologia 62,5% eram adenocarcinomas e 31,8% carcinoma de células escamosas. 4% dos casos apresentaram amplificação de EGFR; 2% de HER2.
12,8% tiveram FISH positivo para MET e 2,6% para fusão EML4-ALK. Quanto às mutações 22,4% dos casos mostrou alguma em EGFR; 20,7% em KRAS; 9,2% em BRAF e 57,3% em TP53.

Conclusões:. A subdivisão do CPNPC em distintos grupos moleculares é uma estratégia promissora para a escolha terapêutica. Os resultados encontrados foram ligeiramente diferentes das séries com pacientes de outras etnias e deverão ser validados em uma coorte maior envolvendo pacientes oriundos das diferentes regiões brasileiras.