Home » Destaques » Aulas de pilates ajudam na reabilitação e qualidade de vida de pacientes oncológicos

Aulas de pilates ajudam na reabilitação e qualidade de vida de pacientes oncológicos

Sensação de fadiga e perda da força muscular (astenia) são alguns dos efeitos colaterais que, muitas vezes, podem acontecer durante o tratamento da câncer. A depressão também é comum em pessoas acometidas pela doença. Inúmeros estudos científicos indicam que a pratica da atividade física pode reduzir consideravelmente esses efeitos colaterais, melhorando a qualidade de vida e trazendo vários benefícios para os pacientes oncológicos. A indicação da atividade, no entanto, precisa ser feita de acordo com o quadro clínico de cada paciente, que deve sempre consultar seu médico antes de iniciar qualquer pratica.

“Por ser de baixo impacto e poder ser adaptado para as necessidades e habilidades de cada paciente, respeitando os limites de cada praticante, o Pilates é uma opção de atividade recomendada para o paciente oncológico”, explica Helena Mathias, fisioterapeuta e diretora do Núcleo do Movimento Pilates & Reabilitação, em Ondina. Dentre os inúmeros benefícios da atividade, estão o aumento da flexibilidade, da mobilidade, da capacidade circulatória e da força muscular, redução da fadiga, melhora da autoestima, relaxamento, bem estar, melhora do humor, aumento da resistência física e mental, melhora da respiração e da concentração e redução das tensões e de dores crônicas.

Criada pelo alemão Joseph Pilates, na década de década de 20 do século passado, a técnica de condicionamento físico é uma ginástica livre de impactos, que respeita a individualidade e os limites de cada praticante. O método é uma mistura de técnicas orientais, que valorizam o alongamento e a respiração, com técnicas ocidentais, que priorizam a força muscular. Joseph acreditava que o centro de força controla não apenas os movimentos corporais, mas também as emoções. Os adeptos ficam mais equilibrados no plano físico e mental. “Respirar da forma correta ajuda a controlar as emoções, combater o stress e acalmar a mente”, explica Helena Mathias.
A pratica do Pilates, que tem sido aplicada com bons resultados nos processos de reabilitação funcional, traz importantes benefícios para a saúde geral. Há aumento de força, as articulações ficam mais saudáveis e a capacidade respiratória também aumenta. O Pilates ainda atua sobre a psicomotricidade. “A técnica estimula o equilíbrio e a coordenação motora”, comenta Helena Mathias. Os benefícios na saúde física e mental são incontáveis.

O paciente deve sempre consultar seu médico antes de começar qualquer atividade física. É importante também que o instrutor de Pilates seja capacitado para o trabalho de reabilitação. Recomenda-se começar com aulas individuais e só depois da recuperação partir para aulas de dupla ou grupo.

Indicado como atividade física para todas as idades e níveis de aptidão, o Pilates, que tem conquistado cada vez mais adeptos no Brasil, também é recomendado para prevenção e reabilitação de várias doenças neurológicas e relacionadas ao sistema musculoesquelético, contribuindo significativamente para a qualidade de vida dos pacientes.

Nucleo-do-Movimento-Pilates-e-ReabilitacaoFisioterapia Oncológica
O câncer é uma doença complexa que pode causar alterações físicas, sociais e emocionais, além de incertezas de como será a vida pessoal e profissional a partir do momento da confirmação do diagnóstico. A fisioterapia oncológica é uma especialidade que tem como objetivo preservar, melhorar e restaurar a integridade cinético-funcional de órgãos e sistemas do paciente, assim como prevenir ou minimizar complicações causadas pelo tratamento médico (quimioterapia, radioterapia, cirurgia). “Nossa principal meta é mostrar ao paciente a necessidade de retomar as atividades diárias e oferecer a ele condições para isso, promovendo sua qualidade de vida”, esclarece a fisioterapeuta Manuela de Teive. A fisioterapia oncológica procura também dar orientações adequadas aos pacientes, familiares e cuidadores, quanto às atividades rotineiras, esclarecendo mitos e verdades relativos ao período do tratamento e proporcionando aos pacientes mais segurança para encarar essa etapa de vida com mais auto estima e convívio social.

Fonte: nucleodeoncologia.com.br