Home » Artigo não-científico » 6 perguntas essenciais para fazer ao seu oncologista

6 perguntas essenciais para fazer ao seu oncologista

Por múltiplas razões, cada vez mais ouvimos relatos de pessoas que saem de consultas médicas sem fazer perguntas importantes – e que podem fazer diferença tanto na prevenção quanto no tratamento de várias enfermidades. Neste artigo, abordaremos o assunto em questão, direcionando o foco para as consultas oncológicas.

“Você tem câncer”: apenas uma frase, mas com as três palavras que geram caos emocional na vida de qualquer um. A partir desse diagnóstico, surge uma urgência de “resolver” tudo, e muitos indivíduos não conseguem processar bem as novas informações, assim como fazer perguntas importantes para o seu oncologista.

Se você ou um ente querido recebesse a notícia amanhã, saberia o que fazer?

Um diagnóstico de câncer desencadeia um turbilhão de conselhos de familiares, amigos e médicos, e é natural ficar sobrecarregado com opiniões e opções de tratamento.

No entanto, os primeiros dias e semanas depois do diagnóstico, são os que mais necessitam de decisões serem tomadas com clareza e racionalidade.

1. Qual é o tipo exato de câncer que eu tenho?

É comum ao indivíduo, após ouvir o diagnóstico, realizar várias pesquisas na internet sobre o seu tipo de câncer: se é comum, taxas de sobrevivência, etc. Também é natural querer ter certeza de que está obtendo a informação mais precisa possível. No entanto, a fonte mais segura para conhecimento a respeito da sua doença sempre será o seu oncologista. Uma conversa franca com um profissional poderá fazer toda a diferença antes e durante o tratamento, além de esclarecer dúvidas e desmitificar informações que estão disponíveis na Web.

2. É um tumor de crescimento rápido ou de desenvolvimento lento?

Isso é importante porque se for um câncer de crescimento lento, existe muito mais chances de cura do que se imagina. Assim, será possível apaziguar o senso de urgência da situação. De qualquer modo, pergunte ao seu médico tudo o que precisa saber, antes e ao longo do tratamento.

3. Você recomenda obter uma segunda opinião?

Muitos pacientes têm medo ou se sentem intimidados em perguntar ao seu oncologista sobre a opinião de um outro profissional da área, por não quererem ofender o médico. No entanto, é importante fazer isso por duas razões:

Fornece uma segunda visão a respeito da patologia, o que é importante em qualquer tipo de manifestação dos tumores;

As pesquisas oncológicas avançam constantemente, e por este motivo, os profissionais têm acesso a diferentes estudos, ou seja, as bagagens e experiências nem sempre são as mesmas.

4. Em qual estágio está o câncer?

O estágio é a extensão de um câncer em seu corpo, e está diretamente ligado às melhores chances de cura. Geralmente é baseado no tamanho do tumor e se está espalhado. Novamente, é um fator que determinará o quão agressivo seu tratamento deverá ser. Além disso, ajuda a entender a gravidade da doença.

5. Quais são as minhas opções de tratamento?

Quimioterapia, radiação, cirurgia: o que é certo para você? Seu médico analisará o caso e criará um plano curativo baseado no tipo e estágio do câncer, e é neste momento que tratamento será definido.
Peça para saber quais são as opções antes de tomar uma decisão.

6. O que eu posso fazer para preservar minha fertilidade?

Isso é importante para pessoas mais jovens e, potencialmente, para homens mais velhos. Se você não resolver o problema antes do tratamento, será tarde demais. Em alguns casos, não haverá tempo para administrar esse problema e, em outros, simplesmente não é possível manter a fertilidade. Mas a questão deve ser levantada antes da terapia.

O mais importante: pergunte, pergunte e pergunte! Desse modo, você cuidará da sua saúde com muito mais consciência.